» esqueci a senha

Ainda não possui login? Cadastre-se.

notícias e artigos


O que pensa o RH?

publicada em 26/10/2011

Saiba quais são as tendências do trabalho de gestão de pessoas para os próximos anos

 

Os consultores César Souza, da Empreenda, e Eugênio Mussak, da Sapiens Sapiens, apresentaram no CONARH 2011 os últimos resultados da pesquisa "Sonhos e pesadelos dos profissionais de RH", que oferece um retrato do que já tem sido feito no trabalho de gestão de pessoas e as projeções para 2012 e para os próximos três anos.

 

Confira os principais destaques da pesquisa, realizada com a participação de 379 profissionais de RH (jovens talentos, gestores, diretores e VPs), com mais de dois anos de experiência na área. O levantamento foi organizado pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) e foi aplicado junto aos participantes dos eventos organizados pelas seccionais do Sistema Nacional ABRH e pelos primeiros congressistas do CONARH 2011.

 

Para os próximos três anos

 

Do total de entrevistados, 73% creem que o RH terá mais relevância e reconhecimento nas empresas como área estratégica. Por outro lado, 6% acreditam que o trabalho de gestão de pessoas em suas companhias será conduzido por outras áreas, e não pelo RH. Os demais apostam na terceirização.

 

Quando o assunto é retenção de talentos, 36,5% pretendem criar planos de carreira atrelados a desempenho. Outros 9,2% querem dar mais autonomia às pessoas. Porém, uma parcela considerável dos respondentes (31,3%) ainda não traçou planos de retenção, ou não deve promover ações com esse objetivo. O problema é que 63,6% afirmaram que suas empresas não possuem líderes suficientes para sustentar a estratégia da companhia.

 

O que vem por aí

 

A previsão de 82,6% dos pesquisados é que 2012 será um ano difícil para reter talentos.

 

A visão dos VPs e Diretores de RH

 

Ainda em relação aos líderes, 30,6% dos VPs e Diretores de RH se preocupam em reter suas lideranças, 21,2% estão pensando na capacitação e desenvolvimento de um novo time de líderes- sucessores e substitutos, e 18,8% almejam ter líderes que inspirem pelos valores da empresa.

 

Para 82,7 % dos VPs e Diretores entrevistados, a parceria entre o CEO e o RH é "intensa e produtiva".

 

Em se tratando de grau de felicidade, 24,7% consideram que, em sua empresa, essa taxa é alta, 68,2% classificam como média.

 

A geração Y do RH

 

Quanto ao futuro de suas carreiras, 66,7% dos jovens profissionais de RH estão conscientes dos reais desafios e oportunidades da área frente às novas demandas. E mais, 33% desejam ser o motor da mudança das práticas de atuação do RH, e 33% querem influenciar nas estratégias e nos resultados das empresas.

 

As principais ambições desses jovens quanto aos cargos são: 58,3% querem se tornar diretores de RH, 16,7% desejam ocupar a presidência, e 16,7% planejam montar seu próprio negócio.

 

Profissionais de RH em cargos intermediários

 

Para 20,1 % dos pesquisados desse grupo, o grande desafio da profissão é o de ser mais estratégico e menos operacional. Outros 17,4% afirmaram que é desenvolver uma fábrica de líderes em todos os níveis, e para 15,2% é valorizar os talentos internos na estratégia de crescimento da empresa.

 

Quando questionados sobre seu desafio na gestão de pessoas, 39,1% creem que é ter um RH com atuação mais estratégica e empreendedora, e 26,1% acreditam que é engajar todos os colaboradores para que tenham postura de "donos do negócio".

 

Gestores públicos

 

É possível utilizar as práticas e ações de RH do setor privado no setor público? A resposta de 78,1% desses profissionais é "às vezes sim, às vezes não". Para 23,3% dos entrevistados, implantar a meritocracia é o seu maior desafio, e para 19,2% é dar velocidade nas ações de RH.

 

Você RH

« voltar
óbile ©